Jessie Ware a fazer a vida boa acontecer no EDP Cool Jazz

Jessie Ware no edpcooljazz fotografada por Rúben Viegas a 26 de julho de 2018

Com Jessie Ware a chegar uns 20 minutinhos atrasada, a maior parte do tempo tivemos direito à sua voz perfeita, que pinga com a alma, e agora, ao contrário do que denotava um pouco nas suas primeiras atuações, nada nervosa entre as músicas. Três álbuns profundos depois, há uma grande diferença entre a Jessie Ware de 2012 e a Jessie Ware de 2018 – que não deixa margem para qualquer dúvida sobre o seu enorme talento e toque de magia e mística que tem.

A viagem começa com ‘Sam’, do mais recente álbum, “Glasshouse”, e fala-nos da recém maternidade da cantora que, não tendo dado nas vistas durante a gravidez ou ter feito questão de mostrar a bebé, também não esconde que está a viver esse momento que a está a marcar profundamente. Seguiu-se ‘Your Domino’, também daqui.

Jessie parece não ter filtro, não finge ser quem não é, não recorre a pestanas postiças para fingir um encantamento que não lhe pertence. A beleza dela, é muito maior, muito mais intensa e brota do interior do Ser Humano controverso que, em fotografias e vídeos, se mostra sério e distante para, em palco, se rir à gargalhada e fazer humor.

‘Running’, o tema que a deu a conhecer ao mundo, e ‘Champagne Kisses’ do álbum de 2014, “Tough Love”, foram os temas seguintes. Os cinco músicos que a acompanham ajudam a criar a tal áurea de mistério que a envolve e as suas intervenções são uma delícia: “Este é o sítio mais lindo onde já tocámos. Muito romântico… obrigada por terem esperado por mim e por estarem aqui”.

A noite estava magnífica, com a lua a brilhar enorme antecipando-se ao eclipse desta sexta-feira, que a vai tornar vermelha. Muito público a rir, muita gente relaxada e alegre numa atmosfera que só Jessie Ware pode criar mesmo estando num palco pequeno, sem quaisquer proteções laterais ou no topo, a fazer lembrar os primórdios dos festivais em Portugal ou uma popular festa de aldeia. É um equilíbrio único que esta menina-mulher consegue com muito profissionalismo elegante na sua performance, ao mesmo tempo que mantém uma relação bem humorada e terna com o público. ‘Last Of The True Believers’ vem ao encontro deste estado de espírito contemplativo.

Jessie Ware no edpcooljazz fotografada por Rúben Viegas a 26 de julho de 2018
Jessie Ware no edpcooljazz fotografada por Rúben Viegas a 26 de julho de 2018

Vestida num fato intrigante, metade preto, metade branco, o seu estilo de Pierrot tinha umas mangas muito largas e fluídas que, quando abria os braços, lhe davam um efeito de quase borboleta a abrir as suas asas. A única diferença é que esta faz questão de estar sempre em cima de elegantes stilletos mesmo que não esconda que a deixam mais cansada e com vontade de se sentar.

Numa altura em tanto se faz o apelo do alternativo só para se ser diferente e nascem cantores YouTubers como cogumelos ao ar livre, fica esta lição de Jessie Ware: cantar é isto.

Mais em: rádio Comercial

Daniela Azevedo

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.