Diogo Piçarra sobre o álbum novo: «É muito mais eletrónico que o primeiro»

Diogo Piçarra lança em 2017 um álbum novo

Diogo Piçarra vai lançar um álbum novo, o segundo de originais, a 31 de março. “DO=S” (lê-se “Dois”) vai ser apresentado ao vivo, pela primeira vez, uns dias antes, dia 24, no Teatro das Figuras, em Faro, a terra natal do cantor que se deu a conhecer ao país quando venceu a 5.ª edição do programa de talentos “Ídolos”, onde foi premiado com uma bolsa de estudo na London Music School e com um contrato discográfico com a editora Universal Music Portugal. O novo trabalho simboliza tudo o que há de bom e de mau numa relação a dois.

Ainda sem sabermos concretamente quem vai estar ao lado de Diogo Piçarra no disco, já se sabe que vai contar com alguns dos maiores nomes da produção nacional. Apesar de ainda só estarmos no primeiro trimestre do ano, Diogo Piçarra já sabe que os Coliseus de Lisboa e do Porto são as grandes consagrações de 2017: 27 de outubro, no Porto, 3 de novembro, em Lisboa. Para já temos o single ‘História’, disponível mais abaixo, para abrir o apetite para o que aí vem. ‘História’ foi composto e escrito por Diogo Piçarra e produzido por Lhast, produtor português que nos seus créditos conta com nomes como Dillaz, Regula, Harold, Richie Campbell, Valas, entre outros. Esta é a segunda canção de “DO=S” a ser lançada, depois de ‘Dialeto’, um tema que já recebeu o galardão de Single de Ouro, atribuído pela AFP.

Neste sábado, 4 de março, Diogo Piçarra dá o último concerto inspirado no álbum de estreia, lançado em 2015, “Espelho”, na Casa das Artes, em Arcos de Valdevez, às 23h00. Além dos grandes êxitos do primeiro disco, ‘Tu e Eu’, ‘Verdadeiro’, ‘Breve’ ou ‘Café Curto’, apenas duas canções novas se vão ouvir nesta atuação.

Diogo Piçarra e Daniela Azevedo numa simpática conversa que começa com concertos e acaba com tatuagens
Diogo Piçarra e Daniela Azevedo numa simpática conversa que começa com concertos e acaba com tatuagens

Diogo Piçarra na voz, guitarra e piano é acompanhado em palco por Francisco Aragão nas guitarras e teclado, Filipe Cabeçadas na bateria e Miguel Santos no baixo. E, ainda, pelas muitas tatuagens que tem pelo corpo fora e que também foram assunto nesta conversa simpática e de grande familiaridade.

 

Daniela Azevedo

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.