Aerosmith no MEO Arena: E depois do adeus? A idade não lhes pesa e não queremos que acabem

Aerosmith no MEO Arena, em Lisboa, a 26 de junho de 2017, fotografados por Everything is New - Alexandre Antunes

Se 2016 foi um ano menos bom para o mundo da música, 2017 está a ser muito rico para os portugueses adeptos de rock n’ roll old school. Depois do regresso em grande dos gigantes Guns n’ Roses no início do mês, eis que na noite de 26 de junho foram os igualmente enormes Aerosmith que esgotaram o MEO Arena para um incrível concerto de despedida dos palcos.

Dezoito anos depois de terem atuado pela última vez em Portugal (em 1999 no Estádio Nacional para o festival T99), os rockeiros norte-americanos, que chegaram a ser conhecidos como os Bad Boys From Boston, voltaram a levar para casa a recordação de uma ovação estonteante por parte do público luso na digressão que assinala a sua despedida “Aero-Vederci Baby!”.

Considerado um dos últimos grandes grupos de rock a tocar ao vivo com os membros originais, o quinteto de Steven Tyler não mostrou quaisquer sinais de cansaço e deu tudo e mais que houvesse de si mesmo num espetáculo memorável. Como se quer que sejam as despedidas: em altíssima. Tyler e Joe Perry foram as duas figuras que começaram por se destacar ao som de ‘Let the Music do the Talking’, o tema escolhido para abrir os concertos da digressão atual.

Desta feita, e apesar de tantas vezes haver queixas do som do MEO Arena, percebeu-se logo que o som estava “limpo” e perfeitamente ajustado ao que se esperava da noite de segunda-feira. Simpático, divertido com os trejeitos de meio louco que sempre o caracterizaram, o homem da boca grande mostrou ter uma simpatia do mesmo tamanho: “Olá Lisboa!” gritou, atirando para a plateia os óculos de sol com que subiu ao palco.

‘Cryin’, de “Get a Grip”, de 1993, traz a doce memória dos anos de ouro da MTV e provoca a reação generalizada de toda a power ballad que se preze: telemóveis a substituírem os isqueiros, beijos e risinhos apaixonados entre os casais de todas as idades e muita e irritante selfie a dois. Bom, tudo é perdoado quando se trata de uma “grande música”, como é o caso desta que, no final, para abruptamente à ordem de Tyler para… um arroto! Foi a deixa para mais um momento de explosão, de diversão e euforia entre os fãs com ‘Dude Looks Like a Lady’. E mais paródia a rodos entre todos os membros da banda que, à vez, vão procurando a grande ventoinha da frente de palco para se refrescarem e exibirem corpos e cabelos grandes.

Steven Tyler arrasou no MEO Arena - vista do Golden Circle
Steven Tyler arrasou no MEO Arena – vista do Golden Circle

Duas horas volvidas e apercebemo-nos que o espetáculo está a chegar ao fim com o encore. Palco escuro, roadies a trazerem para a frente um piano branco com as inevitáveis marcas do tempo (e alguns pontapés rockeiros, por certo). “Vocês são lindos”, diz o vocalista no seu regresso, agora com um casaco de franjas. “Disse bem?”, remata. Sai ‘Dream On’ com Perry a fazer um último momento de “deixar tudo de queixo caído” enquanto faz um solo em cima do piano. Segue-se a ‘Mother Popcorn’, de James Brown, e, last but not the least: ‘Walk This Way’ a garantir que estes mais de 40 anos de carreira dos Aerosmith ganham nota positiva. Sem segredos, sem subterfúgios. Podiam era renunciar às luzes da ribalta daqui por mais uns anos…

Mais em: Musicfest – O cartaz dos festivais de música

Daniela Azevedo

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *