Indústria 4.0 – de careless whisper a wireless whisper

Indústria 4.0 - A evolução

Depois de muito se ter falado e especulado sobre a Indústria 2.0, que apontava um caminho no qual o cliente era o centro de todas as atenções e onde as apps eram o pináculo de soluções de vida feitas à medida, a indústria 4.0, já considerada também a 4.ª revolução industrial, executada e gerida por sistemas ciber-físicos, é a que os especialistas admitem já estar a acontecer há cerca de cinco anos (o termo surgiu em 2011 no decorrer da feira de Hannover, a maior feira mundial de indústria) e que prevêem vir a efetivar-se nos próximos três a cinco anos. Robôs autónomos e realidade aumentada já começam a ser parte do nosso dia-a-dia, enquanto a big data e a integração de sistemas, servirão de base à Internet das coisas e Internet dos serviços que se desenvolve a passos largos. Na Indústria 4.0 a linha que separa humano de computador é cada vez mais ténue.

O armazenamento na “nuvem” será a solução para uma produção, armazenamento e distribuição mais inteligentes, rápidas e económicas. Se, por um lado, na indústria 4.0 se a produção é mais massificada e rápida, por outro, a consequência final dessa produção pode ser cada vez mais personalizada e adaptada a necessidades específicas. Este resultado é conseguido através de uma crescente aposta na informação e comunicação interna que permitem também antecipar problemas e eventuais disrupções no produto em linha de montagem num estágio muito inicial. A conversão de dados armazenados de forma bruta e avulsa em informação útil é um dos primeiros passos para se rumar à Indústria 4.0. O trabalho remoto é uma realidade, para quem tem como responsabilidade assegurar a devida distribuição da informação, garantindo o acesso seguro a máquinas e a sistemas a partir de qualquer ponto do planeta e a partir de qualquer dispositivo móvel.

A tecnologia RFID (radio frequency identification) torna-se rotineira no processo de identificação e armazenamento de informação como há já muito tempo acontece, por exemplo, em áreas como a biologia e a zoologia com transponders colocados nos animais permitindo a captação de informações precisas e fiáveis sobre os seus hábitos de vida. No futuro, a RFID pode levar, por exemplo, a que no preciso instante em que o seu filho deixa cair o telemóvel na banheira, o mesmo envie um “recado” à fábrica que produzirá, de imediato, um outro telemóvel com características iguais ao que acabou de se “afundar”.

Na Indústria 4.0, quando um determinado produto está em linha de montagem, pode ter inúmeras variações (cor, tamanho, peso, etc.) sendo possível, nesta nova geração de produção, a máquina responsável pelo seu fabrico informar em qual das variantes está a trabalhar nesse momento, sendo possível, assim, o responsável humano estabelecer a tal customização em larga escala com perdas mínimas de produto e grandes ganhos de tempo.

A integração de todos os dados na “nuvem” permite uma produção mais flexível na medida em que o volume de produção e os consumos de energia estão sempre a ser comunicados em tempo real. No caso de haver uma avaria nalguma das máquinas, as soluções que integram a Indústria 4.0 também não só a detetam imediatamente, como sugerem outras máquinas e métodos disponíveis no momento e os respetivos tempos e volumes de produção estimados nesse método alternativo de produção. De salientar, ainda, a eliminação das linhas de montagem dos controladores humanos de fluxos de trabalho.

Se é verdade que algumas destas tecnologias ainda não estão completamente disponíveis para aplicação imediata, também é verdade que muitas das grandes empresas não estão plenamente conscientes do avanço das novas tecnologias e, seguramente, quando perceberem os elevados níveis de confiança que os métodos da Indústria 4.0 transmitem, aliados a também consideráveis valores de poupança, facilmente optarão por este caminho. A possibilidade de criar pequenas quantidades de produtos altamente personalizados, a um custo tão reduzido como uma produção em massa, era um sonho antigo dos grandes senhores da indústria. Hoje, é um sonho realizado, possível e cada vez mais alcançável.

 

Indústria 4.0 é tudo isto
Indústria 4.0 é tudo isto

Vantagens da Indústria 4.0:
– Transparência de dados e facilidade de acesso aos mesmos, inclusivamente em mobile;
– Previne ruturas de stock;
– Pode ser facilmente integrada nos atuais cenários e equipamentos;
– Significativas poupanças de tempo e dinheiro.

Desvantagens da Indústria 4.0:
– Pouco espaço para a criatividade na adversidade e superação de imprevistos;
– Redefinição do papel no Ser Humano no mercado de trabalho e na sociedade em geral;
– As empresas que hoje são as mais poderosas irão continuar a sê-lo na Indústria 4.0, deixando pouca margem ao surgimento de novos players;
– Prejuízo das nações em desenvolvimento.

Daniela Azevedo

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.