Feira Rural de Arruda dos Vinhos: “Irra que é saloia!”

Nos três dias da feira houve provas equestres. Foto: Autarquia de Arruda dos Vinhos

Há muito tempo que, para um arrudense em Lisboa, Arruda dos Vinhos é bem mais do que “a terra do Fuso”. Sem qualquer desprimor para o restaurante em questão, Arruda tem vindo a apostar em vários eventos de caráter cultural e gastronómico que lhe têm vindo a reforçar a identidade de terra saloia às portas da capital.

Sendo que o meu concelho se situa numa zona de transição entre o Oeste e Lisboa, entre a Estremadura e o Ribatejo, nas suas raízes estão a agricultura, nomeadamente a vitivinicultura, mas também as lides equestres e a gastronomia mais tradicional. E é de tudo isto que se faz a Feira Rural que, este ano, teve a sua segunda edição, de 29 de abril a 1 de maio, com entrada livre.

Nestes três dias, foram vários os stands de mostra e venda de vinhos e artesanato, bem como restaurantes de Arruda e não só, que trocaram de morada para o Pavilhão Multiusos local. Mas foram os cavalos as estrelas que mais brilharam nestes três dias em que animação e espetáculos equestres andaram, literalmente, de mãos dadas. As mais significativas tradições do Oeste e do Ribatejo estão, efetivamente, a modernizar-se, a mudar de figurino, e a ganhar nova beleza.

Na primeira noite assistimos à sóbria e elegante apresentação da Reprise a Cavalo da Escola de Mafra – Exército, seguida da estreia da alentejana Cláudia Gonçalves a cantar fado a cavalo. A noite prosseguiu com o espetáculo equestre “LUNGTA”, com Ophélie Gosset, e com a apresentação de dressage com o cavaleiro internacional Manuel Borba Veiga. Ophélie Gosset impressionou-me pela facilidade e harmonia com que montou o cavalo, enquanto fazia uma exibição com fogo. Sem rédeas nem esporas, os defensores dos animais certamente iriam gostar, como eu gostei, da maneira como a francesa demonstrou estar em paz com o animal, ainda por cima num número que evoca uma figura mitológica tibetana, da Era pré-Budista, que evoca a velocidade do vento e a força de um cavalo. Gosset haveria de voltar para atuar, novamente, no sábado.

Os cavalos são o animal predominante na Feira Rural. Foto: Autarquia de Arruda dos Vinhos
Os cavalos são o animal predominante na Feira Rural. Foto: Autarquia de Arruda dos Vinhos

Falcões, cães e cavalos voltaram a conviver (nem sempre de forma pacífica) na tarde de dia 30, recriando mais momentos característicos da vida no campo.

A noite trouxe-me um novo desafio: apresentar a gala equestre de Miguel da Fonseca a cavalo. Fiquei com a ideia em mente depois de, em 2007, ter assistido à atuação de Joaquín Cortés no Campo Pequeno, em Lisboa, estruturada com grande cuidado e resultando em sucesso. Apoiada pela organização e com resposta simpática e imediata por parte da Quinta da Boa Vista, o Sultão lá acrescentou mais um momento de festa ao seu palmarés. Os meus agradecimentos ao staff da quinta pelas palavras de incentivo, profissionalismo e respeito (não subia a um cavalo há mais de um ano) com que se disponibilizou a apoiar este momento da II Feira Rural.

Daniela Azevedo na II Feira Rural de Arruda dos Vinhos
Daniela Azevedo na II Feira Rural de Arruda dos Vinhos

No domingo, houve espaço para o Rancho Folclórico Podas e Vindimas de Arruda dos Vinhos, torneio de cavalhadas, nova presença da Quinta da Boa Vista, desta vez com uma apresentação equestre por parte dos seus alunos, além da exibição “Fado, Flamenco e Cavalos”, na reta final de um fim-de-semana em que Arruda espelhou algumas das melhores facetas da vida no campo.

Apesar do que o título da feira sugere, há algumas opções de snacks para vegetarianos. Foto: Autarquia de Arruda dos Vinhos
Apesar do que o título da feira sugere, há algumas opções de snacks para vegetarianos. Foto: Autarquia de Arruda dos Vinhos

Nota: Apesar da temática, o evento é apropriado para vegetarianos. As opções gastronómicas não são óbvias e, por vezes, é necessário fazer um pedido especial, mas no exterior do Multiusos havia carrinhas e stands com ofertas para pequenos lanches com frutas.

Daniela Azevedo

 

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.