Kodaline em concerto explosivo e louco no Coliseu dos Recreios

Para quem tem andado mais distraído, a enchente do passado domingo, 6 de março, no Coliseu dos Recreios, em Lisboa, não deixou de constituir uma gigantesca surpresa. Os Kodaline estão, por certo, a assumir o papel de recente fenómeno da música depois do que conseguiram fazer em Lisboa. Estive lá e raras vezes vi o Coliseu assim.

A banda irlandesa conseguiu, com apenas dois álbuns, o que muitas não conseguem com décadas de carreira. Os fãs, bastante jovens, que atulharam o Coliseu, cantaram todas (sim, não é typo), todas as músicas do princípio ao fim, fazendo a velhinha sala lisboeta ganhar a dimensão de palco de um grande festival internacional.

Os jovens artistas deram o melhor de si a cada momento, com Steve Garrigan a saltar da guitarra para as teclas, num delírio que impressiona pela destreza com que parece fazer tudo em palco. Ao percebermos a orientação musical dos álbuns não admira que os Kodaline sejam uma espécie de “banda-faz-tudo”. Com o primeiro disco, que lhes valeu o reconhecimento da BBC e da MTV, por exemplo, chegaram a ser comparados aos Lumineers. No segundo registo, arriscaram caminhos mais rock e ninguém parece dizer “não” à mudança. Provavelmente vieram, até, novos fãs com a viragem verificada no segundo álbum.

Kodaline no Coliseu dos Recreios, em Lisboa, a 6 de março de 2016, fotografados por Luís Flores
Kodaline no Coliseu dos Recreios, em Lisboa, a 6 de março de 2016, fotografados por Luís Flores

Garrigan bem tenta conversar com o público mas qualquer interjeição é imediatamente calada pelos sonoros aplausos e euforia ensurdecedora. Ainda o espetáculo não vai a meio e já é oficial que a loucura mora aqui.

No regresso para o encore foi tempo de agradecimentos: a tudo, a todos e em especial, aos pais de Garrigan: «Um muito obrigado ao meu pai e à minha mãe que estão ali». E lá estava a família, nas cadeiras principais do balcão central, sorridente a acenar à multidão…

Mais em: Musicfest – O cartaz dos festivais de música

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.