Coldplay: o regresso da vida às cores

Coldplay - "A Head Full of Dreams"

Bem a tempo do Natal chegou “A Head Full of Dreams”, o sétimo álbum de estúdio dos ingleses Coldplay. Ouvi-los é apanhar um balão de ar quente e ali ficar, a pairar sobre a confusão, com uma aura de cor e prazer superiores.

O disco, produzido por Rik Simpson, começou a ser gravado no Verão do ano passado, quando a banda de Chris Martin andava na estrada a promover o anterior “Ghost Stories”. Há algumas semelhanças entre os dois, efectivamente. ‘Magic’ e ‘Always in My Head’, do anterior, parecem encontrar uma continuidade em ‘A Head Full of Dreams’ e ‘Everglow’ do mais recente, por exemplo.

Outra das novidades, ‘Amazing Day’, continua a perspectivar, em letras e melodia calmas, que as novidades no dia-a-dia podem vir a ser melhores do que têm sido até aqui. Na verdade, o grupo que já vendeu mais de 80 milhões de álbuns, não parece desacreditar do lado mais puro e filosófico da vida nem parece render-se à extrema popularidade que já atingiu. Ouvi-los é apanhar um balão de ar quente e ali ficar, a pairar sobre a confusão, com uma aura de cor e prazer superiores.

Beyoncé está presente em ‘Hymn for the Weekend’, como uma libertação do stresse da semana numa das raras referências dos Coldplay a bebida. ‘Amazing Day’ é um convite à observação das estrelas, enquanto o grupo coloca o planeta Terra como o melhor lugar para se viver. É das canções mais “orelhudas” e saborosas do registo novo.

Noel Gallagher, Tove Lo, Khatia Buniatishvili e Merry Clayton também estão no disco.

‘Everglow’ remete, claro, para aquela que parece, ao mundo, ser a eterna admiração e amor por Gwyneth Paltrow. Senão, ouça-se:

“Oh they say people come
They say people go
This particular diamond was extra special
And though you might be gone
And the world may not know
Still I see you celestial”

Temas mágicos, paradisíacos, maravilhosos são tudo adjetivos que nos ocorrem quando prosseguimos a audição por ‘Adventure Of A Lifetime’, ‘Fun’, a remeter para as ondas do mar, ou ‘Up&Up’, que fecha o álbum, ainda que nalguns instantes essas semelhanças se possam tornar um pouco repetitivas. O tratamento ao espírito fica, contudo, assegurado. ‘Adventure Of A Lifetime’ mostra, ainda, a faceta de homem agora solteiro de Chris Martin que se deixa divertir a cantar “you make me feel like I’m alive again”. Parece ser uma mistura que agrada a “gregos e troianos” e que consegue fundir bem a pop com sons mais alternativos.

Se comecei por referir as semelhanças entre “A Head Full of Dreams” e “Ghost Stories” agora há que referir uma diferença que se nota após várias audições do trabalho novo: a filosofia do “copo meio cheio” está aqui mais reforçada do que no anterior, que apenas parecia empurrar para debaixo de um tapete bonito aquilo com que não é tão simpático de lidar. Resumindo, está aqui um álbum “full of dreams”.

Coldplay - "A Head Full of Dreams"
Coldplay – “A Head Full of Dreams”

Trabalho feito por Daniela Azevedo para o extinto site do grupo Media Capital Rádios: Cotonete – Música e Rádios Online

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.