RiR: João Pedro Pais intenso como o café de 2.ª de manhã

João Pedro Pais no RiR - Nuno Fontinha

A luz do sol começava a baixar quando os Linda Martini subiram ao Palco Vodafone neste último dia de Rock in Rio-Lisboa, marcado pelas comemorações do Dia da Criança. Conhecido como um dos grupos portugueses da actualidade que mais tem revelado uma nova faceta do punk rock alternativo interpretado na língua de Camões, os Linda Martini tiveram, no entanto, que tocar para um público que poderia não ser, à partida, o core dos seus seguidores e fãs.

A banda de Lisboa, que no ano passado editou “Turbo Lento”, o seu terceiro álbum, estreou-se no Rock in Rio em dose dupla: ontem no concerto de homenagem a António Variações e hoje em nome próprio ao início da tarde, apesar de se ter queixado do horário que lhe foi atribuído para a actuação deste domingo, 1 de Junho.

O quarteto começou muito empenhado no desenrolar de temas mas pouco depois brincou com o público ao incitar quem assistia ao concerto a chegar-se para mais perto do palco: «Quem veio aqui para ver Linda Martini que venha cá para a frente. Ou então podem tirar as t-shirts, que ainda parecemos bué mais», incitaram, antes de tocarem aquela que anunciaram como uma «g’anda malha»: ‘Juventude Sónica’, do álbum “Casa Ocupada”, de 2010. Foi depois de ‘Panteão’ que os Linda Martini, talvez na expectativa de encontrarem mais do seu público fiel, que aplaude e se entrega de alma às suas músicas, dispararam: «Ontem os Capitão Fausto deram aqui um grande concerto. Pode ser que em edições futuras as bandas portuguesas tenham direito a tocar depois das estrangeiras». Apanhados de surpresa, os festivaleiros não aplaudiram por aí além esta manifestação de opinião, e os Linda Martini rapidamente mudaram o tom para um convite à dança com ‘Sapatos Bravos’ por banda sonora.

Quem não pareceu minimamente incomodado com o horário de concerto que lhe fora atribuído, bem pelo contrário, foi João Pedro Pais que, tendo por convidado Jorge Palma, pegou no público já presente no concerto anterior, de Kika, para lhe dar um espectáculo de rock “limpinho” que, para os fãs, só pecou por ser curto. ‘Fora do Vulgar’, numa espécie de versão extended play, e ‘Não Há’ abriram o concerto com João Pedro Pais a posicionar-se, definitivamente com um homem de atitude rock com a força na voz e a veemência nos gestos a fazerem esquecer por completo o rapazinho doce e tímido que, um dia, deu nas vistas no “Chuva de Estrelas”.

Com uma voz rouca e potente que atinge notas seguramente invejáveis, João Pedro Pais trouxe ao Rock in Rio algumas canções de “Desassossego”, de 2012, um disco com os ponteiros a girarem um pouco mais para o tal blues bom, verdadeiro e sentido. ‘Havemos de Lá Chegar’ soube mesmo bem ouvir enquanto o sol de fim de tarde nos ia batendo na cara, já sem incomodar. Já tive a oportunidade de o entrevistas e foi ainda melhor poder ver que estes temas novos já vão atingindo níveis de popularidade significativos, embora o dueto com o público em ‘Mentira’ continue a ser imbatível e as lágrimas nalguns rostos mostram bem que música boa é aquela que nos faz sentir, em vez de racionalizar.

Sensivelmente a meio chega «o meu caro amigo» Jorge Palma. Sempre recebido em euforia pelos fãs, Palma sentou-se calmamente ao piano para interpretar o seu ‘Frágil’, seguido de ‘Estás à Espera de Quê’, do mais recente de João Pedro Pais, e o saboroso ‘Encosta-te a Mim’, a permitir a “fuga” romântica de alguns casais apaixonados, captada pelas câmaras.

João Pedro Pais é hoje em dia um cantor intenso, de palavras penetrantes e com o talento de ter conseguido, com um repertório intimista, juntar milhares de pessoas em torno das suas canções, a vibrar, sem nunca esmorecer, e a deixar-se levar pelo imaginário de que este artista com ar de solitário romântico nos consegue criar.

«Façam o favor de serem felizes. Com a vossa família, com os vossos filhos. Hoje, que é Dia da Criança, lembrem-se de cuidar bem das vossas», despediu-se o cantor. ‘Mais Que Uma Vez’ e ‘Nada de Nada’ fecham a actuação mas fica a sensação de que o público queria mais.

João Pedro Pais no RiR - Nuno Fontinha
João Pedro Pais no RiR Lisboa 2014, fotografado por Nuno Fontinha

Trabalho feito por Daniela Azevedo para o extinto site do grupo Media Capital Rádios: Cotonete – Música e Rádios Online

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.